EGO​/​/​ISMO

by sounds151

/
  • Streaming + Download

     

1.
03:17
2.
04:52
3.
04:46
4.
03:44
5.
03:07
6.
05:03
7.
8.
03:47
9.
05:16
10.
05:09
11.
03:45
12.

credits

released June 29, 2015

Todos os temas compostos, interpretados e gravados por Pedro Isidoro.
Gravado entre Janeiro de 2014 e Junho de 2015 no "Conforto do Meu Quarto" em Carnide, Lisboa.
Sample no tema "sem abrigo" retirado da reportagem "Sem abrigo no Oriente" da Sic.

tags

license

about

sounds151 Lisboa, Portugal

sounds151 (ˈsæʊndz ˈiːziː) is Pedro Isidoro singer and composer on Mordomo and Aggravated Emotional Apathy and ex-lead singer of No Tribe.

contact / help

Contact sounds151

Streaming and
Download help

Redeem code

Track Name: epitáfio
Aproveito e aviso que este não vai ser o ultimo cigarro...

A não ser que o meu tempo termine agora.

Estou cansado dos dias,
Carregado com o nada...
Aquele nada...
Que ao fim ao cabo nos parece tanto...

Estou sem os teus dedos entrelaçados nos meus
E continuo a caminhar em direcção a lado nenhum...

Estou cansado de ti.
Dos teus lábios que me viciam
Dos teu sorrisos que me contagiam...

...até que volto a não valer nada...

Estou cansado dos olhares repentinos,
Dos arrependimentos matutinos...

Estou cansado de mim...

Quase já não me encontro neste lodo,
Um emaranhado de fios sem fim,
Um quase dia perdido...

Mas que não me falte o tempo...
Porque a oportunidade,
Essa,
Já a perdi...
Que não me falte o tempo para te fazer feliz...

A não ser que o meu tempo termine agora.
Track Name: ser
Estou num beco
Sem saída

Adormeço
Perco o dia

Mais do mesmo
Já não via

O marasmo
Arrepia

Hoje estou só
Como queria

Quem sou?

Sinto o travo
Amargo

Dos caminhos
Errados

Das promessas
Falhadas

Olho em volta
Tudo dorme

Ainda estou só
Como queria

Quem sou?
Track Name: nu e cru
guardas os teu medos
só para sentir
dobras os teus dedos
quase até partir

se tudo te dá razão
não tens porque fugir
sem nada

se todos te pedem mais
te obrigam a sentir
ignora

se tens de te proteger
se tens de te recolher
abriga-te

se tu não te queres dar
se não querem comer
entorna

a tua sede
não é mais
do que o teu peito

guardas os teu medos
só para sentir
dobras os teus dedos
quase até partir

esmagas os segredos
antes de dormir
soltas berros cegos
tentas-te redimir

procuras as palavras que se recusam a sair
num labirinto de ilusões, já não há nada aqui
corres todas as portas sem motivos para sorrir
abres os braços sem medo de sentir

acendes um cigarro, queimas o que há-de vir
com ou sem razão, tentam fazer-te desistir
filhos da puta! não te vão fazer cair
abres os olhos, hoje vais fazer-te ouvir

guardas os teu medos
só para sentir
dobras os teus dedos
quase até partir
soltas berros cegos
Track Name: sombra
Quem és?
Quando vens...
... sem razão de madrugada

Ouço
Os teus passos
Perdidos na nua calçada

Dou-te o céu
( e atiro-me ao chão)
Dou-te o chão
( e perco-me em ti)


Porque
Não estás
Tenho a mão bem esticada

Estou só
E tu
No meu peito despejada
Track Name: #14
sem mais nada
preenches-me a alma

camuflada
sem eu me aperceber

enterrada
no meu apetecer

abraçada
ao que eu não quero ver
Track Name: derrame
sou a sede de quem não provou
o derrame de quem em mim ficou

enquanto o eu
estiver escondido
preparo o céu
meu ombro amigo

a solução
é estar contigo
perdido nos escombros de mais um dia no teu abrigo

eu já não sei
se consigo
acordar
outra vez comigo

escuta bem
o que te digo
eu vendo ilusões mas derramo verdades mesmo perdido
Track Name: vivo a fingir
Dormente
Por fora
Peço para sentir

O tempo
Demora
Tardo a sentir

No centro
Da roda
Custa-me a dormir

Cá dentro
Sem nada
Vivo a fingir

Tropeço
No medo
As mãos estão a tremer

Um beijo
Os teus dedos
Agarram-me a seguir

No centro
Da roda
Vivo a fingir

Cá dentro
Sem nada
Custa-me a dormir

São os meus olhos
Que chamam por ti
São os teus lábios
Que zelam por mim
Track Name: sorte
Encontrei a morte
Dei passos largos
Para lado nenhum

Recusei a sorte
E saltei

Cortei os braços
Para ficar
Em traços largos
A rastejar

Atirei os dados
Fechei os olhos
Apertei-te a mão

Recusei a sorte
E saltei

Cortei os braços
Para ficar
Em traços largos
A rastejar

De olhos baços
Mas sem sofrer
Contei os passos
Até morrer
Track Name: egoísmo
Ao acordar
(Ninguém repara)
Deste sono
(Onde pisa)
Olho em volta
(Vivos Mortos)
Está tudo podre
(Ninguém te avisa)

Roubam tudo
(Sobem alto)
A quem precisa
(Até à vertigem)
São mais olhos
(Matam, esfolam)
Do que barriga
(Mas nunca vivem)

Só falta crescer
Só falta mudar
Deixa viver
Apaga o teu... egoismo!

Vivos Mortos...
Provocam dor...
Aumentam a fome...
Movidos pelo seu...
EGOISMO!
EGOISMO!

Só falta crescer
Só falta mudar
Deixa viver
Apaga o teu... egoismo!
Track Name: sem abrigo
Quando me vejo
Num reflexo qualquer
Um rosto estranho
Que teimo em reconhecer

Vagueio nas ruas
Da cidade ao amanhecer
Perdido em reflexos
Que me fingem conhecer


Volto a cair
Nesta saga de beber
Nem quero fingir
Que me sinto a adormecer


Continuar
Neste lugar
É desistir
De existir

Como esta dor
Não passo do chão
É desistir

Como este sal
Que me arde na mão
Sem resistir

Não
Vou ver
O céu
Em mim

Não
Vou ver
O céu
Em mim
Track Name: carrossel
Cai o carrossel bem devagar
Eu estou no centro

Tento dar-te um pouco deste mundo
sem o medo

Escondo o cinzento e o negro
Bem cá dentro

Pobre carrossel vê-se perdido
Em tal enredo

sou
o
sen
ti
men
to
em
ti

abre
os
o
lhos
eu
estou
a
qui

sou
o
sen
ti
men
to
em
ti

es
tes
de
dos
são
da
mi
nha
mão...